noticias73 Seja bem vindo ao nosso site Rádio Web UPE!

Brasil

FMI se dispôs a ajudar o Brasil no debate do novo arcabouço fiscal

Fernando Haddad disse que BID também quer contribuir com o debate

Publicada em 18/01/23 às 14:43h - 20 visualizações

Agência Brasil


Compartilhe
Compartilhar a noticia FMI se dispôs a ajudar o Brasil no debate do novo arcabouço fiscal  Compartilhar a noticia FMI se dispôs a ajudar o Brasil no debate do novo arcabouço fiscal  Compartilhar a noticia FMI se dispôs a ajudar o Brasil no debate do novo arcabouço fiscal

Link da Notícia:

FMI se dispôs a ajudar o Brasil no debate do novo arcabouço fiscal
 (Foto: Reuters/ Arnd Wiegmann/ Direitos Reservados)
O Fundo Monetário Internacional (FMI) se colocou à disposição para contribuir com o debate do novo arcabouço fiscal do país. A informação foi dada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, após reunião com a diretora-geral do fundo, Kristalina Georgieva, realizada ontem (17). Segundo o ministro, a instituição se dispôs a colocar uma equipe técnica para apresentar as regras hoje em vigor em diferentes países e a opinião do FMI "sobre as que estão dando certo e as que não".

Haddad disse ainda que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) também manifestou intenção de contribuir no debate.

“O BID também se colocou à disposição. Muitos economistas brasileiros, a universidade e os especialistas vão ser chamados a opinar sobre isso”, disse.

Ontem (17), o ministro disse que pretende encaminhar a proposta da nova âncora fiscal ao Congresso Nacional até o mês de abril. A proposta deve substituir a atual regra do teto de gastos, aprovado em 2016.

O teto de gastos prevê um limite de crescimento dos gastos do governo federal em 20 anos, de 2017 a 2036. O total gasto pela União a partir de 2016 passou a ser corrigido pela inflação oficial, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A proposta de nova âncora fiscal está prevista na Emenda Constitucional da Transição, que determina que o governo deve encaminhar um projeto de lei complementar ao Congresso Nacional até agosto.

Atualmente, o teto de gastos é uma das três regras fiscais às quais o governo tem de obedecer. Ele tem como objetivo impedir o descontrole das contas públicas. As outras são a meta de resultado primário - déficit ou superávit -, fixada na Lei de Diretrizes Orçamentárias de cada ano, e a regra de ouro, instituída pelo Artigo 167 da Constituição e que obriga o governo a pedir, em alguns casos, autorização ao Congresso para emitir títulos da dívida pública.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (00)00000-0000

Visitas: 42365
Copyright (c) 2024 - Rádio Web UPE - Uma Rádio da Universidade de Pernambuco